terça-feira, 8 de julho de 2008

Sal de Frutas

É só acordar.
Abra os olhos. É outro dia. E é assim que tem que ser. Sempre. O que aconteceu ontem aconteceu ontem. Isso não pode transpassar o tempo. A vida é muito curta pra ser perdida com certas “miudezas”. Não é fácil. Eu sei bem. Mas é necessário tentar. Não digo esquecer, (porque nesse departamento das memórias eu não faço idéia como isso é possível), mas abstrair. Não somos sempre vítimas. Não. Às vezes vitimamos alguém também. Ninguém é tão ruim assim, nem tão bom. Claro. Simplesmente são egoístas, todos somos. Por mais solidários, atuantes, compreensivos e presentes na vida das pessoas. Ainda assim egoístas. Sempre se espera um “mínimo” de algo. E se nunca houver retorno? Nem agradecimentos? Sem dúvida sente-se muito por isso. Ainda que isso não queira dizer nada. Cada um faz o que quer, de acordo com sua consciência. O que achar certo. Mas sim, certo pra quem? É isso. Talvez só pra mim e não para o outro. Meu certo é o seu errado, meu bom o seu ruim. E vice – versa. Tudo depende do ponto de vista. Talvez aquela briga definitiva que tivemos com aquele (a) que foi tão querido (a) e necessário (a) um dia, não foi tão culpa dele (a) assim. E o motivo? Poderia ter sido melhor. Mas a cabeça quente, a raiva, a decepção, o sentimento de traição que costuma aparecer nesses momentos, tudo isso não nos faz pensar. É difícil tolerar os erros alheios, principalmente se de algum modo nos atinge, porém não menos difícil é reconhecer os nossos próprios erros. Nunca queremos saber das razões, não vemos motivos para tal, só que nem sempre necessita de razão e motivo para algo acontecer. É a vida. Tudo é muito rápido, muito imediato, quando viu... pufff...aconteceu. Mas, afinal de contas foi um absurdo, a maior falta de tudo. Imperdoável. (?)
Então, se inicia a segunda etapa, a das ofensas. Palavras duras que lançamos contra alguém. Pessoa também, não menos ferida, já que não existe em situações de conflito quem saia sem algumas dúzias de arranhões. Sempre as duas partes perdem. Não há vitorioso, independente de quem é ou não responsável. Na hora é lógico que ninguém vai pensar nisso. Nem eu pensaria. Nem pensei um dia. A vontade é de xingar mesmo, e a obstinação só acaba quando se consegue, finalmente, chegar no ponto fraco, onde doi mais. Porque é pra doer mesmo. Quem mandou se meter comigo?
Antes de tudo, até antes mesmo de acontecer tal situação (que deus nos livre porque é muito ruim) cuidado para não esquecerem os melhores momentos. Aqueles que até então tinham ocupado o espaço das coisas inesquecíveis. Eles foram verdadeiros sim. E não menos intensos. Não podem ser simplesmente excluídos, como se não houvessem existido. É bom tê-los sempre na memória, afinal houve amor. Mas até o amor tem dessas coisas. Por isso... Não perca a oportunidade de crescer a cada experiência, principalmente nas não tão boas. Elas chegam carregadas de ensinamentos. Não fulja das responsabilidades, elas são chatas, mas necessárias. Tente esquecer as angústias, e tudo que te fizeram que te deixou pra baixo. Nesse momento talvez alguém esteja sentido o mesmo... Por sua causa.
Abra a janela e veja que nada esta do mesmo jeito, ainda que tudo esteja no mesmo lugar. Deixe o mofo sair. Acompanhe o tempo, ele não ta nem ai se você parar. E se não dá mais tempo de rever certas coisas do passado, se concentre nas coisas do presente. O presente será seu passado amanhã e já que não tem jeito, ajude para que ele se torne uma lembrança agradável, que te faça feliz ao recordar. E duvidem daqueles que disserem que nunca se arrependeram na vida. Se for verdade (o que eu duvido muito) saia correndo. Essa pessoa não é normal.
Para todas as outras coisas, sal de frutas é a melhor solução.

2 comentários:

Kari disse...

Que belíssima reflexão...
Esquecimento não é um dos meus fortes, nunca aprendi, mas aprendi, no entanto a perdoar, que, como já ouvi falar, "é lembrar, sem mágoas".
Quanto aos arrependimentos? Tenho inúmeros... De um "eu te amo" pra que não deveria ouvir, de uma lágrima por quem não merecia, de uma saudade de que nem se lembra... Inúmeras. Mas tento não viver pensando nelas, ou seria impossível seguir em frente.
E, esse passado que hoje eu faço, espero poder sim, lembrar com carinho e um sorriso gostoso!

Um beijão pra tu

Dayane disse...

Olá querida!
Achei o cabeçalho do seu blog tao Twn Peaks!Ja assistiu?Eu li o livro,se chama O diario secreto de Laura Palmer.Dava um medo O.O!
Os testes sao de um site sim,o link esta no titulo dos testes la no meu blog.Desculpe nao ler o post,eh q esses coments de hj sao mais do tipo "ei,eu voltei!" rs.Bjo.