terça-feira, 26 de agosto de 2008

Bem sabes.


Noite
De vazio.
Pra quem vens?
O que procuras ao me afrontar?
Porque não me trás o que espero?
Não me encha de dúvidas, noite.
Tu bem sabes o que preciso...
Que me mostre a saída
Da tua escuridão angustiante.
Amedronta-me, ao invés
De acolher-me na tua calma habitual.
Não me dês mais do que preciso,
Sou cega perante os teus ardis.
Só te peço uma coisa noite...
Se não consegues se afastar de mim,
Apenas abstenha-se de fazer-me o mal.

4 comentários:

Adriano DiCarvalho disse...

que noite mais perversa essa que conheces-te. Geralmente as noites costumam ser tão calmas e acolhedoras...rs

Bonita poesia.

BJS

Kari disse...

E é durante as noites que tudo parece acontecer...
Sejam os risos ou as lágrimas...
A noite é sempre melhor para recebê-los...

Ah! Caso tu vejo isso ainda hoje... Não vou pra aula. O lábio ainda tá inchado e falar tá sendo meio difícil...

Beijão pra tu

Kari disse...

Nesse caso, fico feliz em não ter perdido nada. Mas amanhã eu vou até morrendo. E aí, a gente conversa e tu me coloca a par de todos os trabalhos direitinho, visse????

Um beijão e boa aula

Camila Colossi disse...

oiee,
tem um aviso no mue blog :)
vaailah?

ps:sorry copy cola =/


;*