quinta-feira, 28 de agosto de 2008

No meio do deserto...

Pensou que precisava de terapia. Não. Não se entendia.
Porém entendia todos, e todos sempre foram bastante convincentes. Não lembrava de ter desconfiado, algum dia, da verdade de alguém. Afinal, eram verdades. Certo? E já que não há como provar o contrário...
Nem o queria fazer também. Pra que? Já havia abstraído certos tipos de curiosidades.
Foi tímida sim, um dia foi. Deixou de ser... De repente. Ou talvez continue sendo, mas é que é muita coisa que a gente precisa ser antes de ser tímido. As coisas sempre são muito nuas, muito cruas. Na há espaço pra tímidos no mundo. Pra água ser gelo, é preciso um processo. Demora alguns minutos, mas um momento ela fica lá, dura e gelada. Entretanto, é só por uma falta de ambiente, ela volta a ser líquido de novo. Nunca vai ser gelo pra sempre, porque ela é água, e o estado dela não é sólido.
Não julga ninguém. As pessoas não precisam ser julgadas, elas já carregam o triste fardo de serem pessoas. E ser pessoa, e pensar (logo existir) não é tarefa das mais fáceis. Não precisam concordar, não quer mudar ninguém. Só espera o mínimo... Do mínimo.
Pergunta-se porque que é tão fácil não se colocar na pele do outro. Tem medo de um dia se tornar alguém assim, que não enxerga à dor, a angústia, a vergonha estampada num rosto aflito qualquer, ainda que esse mesmo rosto não lhe seja semelhante, ou não lhe traga recordações, seja só um rosto perdido. Mas aflito. E não poder ver nem sentir. Pois somente quando sente, ela existe. Porque quando pensa, nem percebe. Pensamentos vêm e vão, nunca permanecem por mais de dois minutos. Só quando sente, ela existe.
Apenas tinha esquecido como era o sentimento que acompanhava a timidez. Trouxeram de presente, coberto por um terrível laço de fita... Vermelho.
Disseram uma vez que água mole em pedra dura... (voltando ao estado líquido)
A tiraram do freezer e a colocaram no meio do deserto. Estava lá, derretendo novamente.

8 comentários:

Kari disse...

Eu poderia dizer que foi confuso, mas isso seria se eu fosse insensível... E eu não sou.

Sabe, a gente sempre tem alguma coisa que nos aflinge. Seja uma "besteira" aos olhos alheios, ou algo "grave", mas, pra gente, pra quem sente, a diferença é bem pequena. E um dia, por motivo nenhum, ou por todos os motivos do mundo, todas as coisas "pequenas e bobas" se juntam e resolvem nos aflingir ao mesmo tempo. E, por mais que tentemos não ligar, é impossível e, seja o que for que nos aperreie, aperreia mais e machuca cada vez mais. E o que você tem que fazer é conversar, sabe? Não precisa ser com um terapeuta, serve com um amigo também... Eu, particularmente, nunca soube conversar bem com amigos e nunca tentei um terapeuta e foi por isso que resolvi criar um blog. Pra conversar com as palavras. Sabe que ajudou muito? Foi uma terapia ótima!

Bom, falei e falei... Talvez tenha ficado confuso, ou talvez não... Mas enfim, amiga, sabe que, precisando, pode contar, né? Pra o que for....

UM beijão pra tu
e espero que já tenha saido do deserto...

disse...

Questionamentos mto válidos. Vou passar o resto do domingo pensando. :)

Nataliinha disse...

Oiie .
Adorei o que vc escreveu .
Nós passamos p. uma transição eterna na vida .
Todo dia toda hora .

De líquido passamos pra sólido e podemos volta pra liquido ou virarmos vapor ...


é a vida ....

As portas 'lá em casa' estão abertas . Se quiser, passe lá .
Será bem vinda . ;)

Bjs =)

Camila Colossi disse...

caraa q texto boom ,
parecee muito comiigu ;


;*

Alê Raposo disse...

Teu melhor texto!!!!!

Grifo: "é muita coisa que a gente precisa ser antes de ser tímido".

Parabéns.

amália :) disse...

éé, só que a água ainda tem outro estado, o gasoso... ;~ (que texto lindo lindo lindo, parabéns)

Mustafa Şenalp disse...

çok güzeel site .:)

O Profeta disse...

PAssei para te deixar um terno beijo...