segunda-feira, 20 de abril de 2009

Agora.

Fim de tarde...
Penso em mim... No que faço... No que não faço... No que queria fazer e o que me falta pra tomar atitudes mais firmes, menos impulsivas, e com mais resultados. Eu quero uma ambição que não existe em mim, eu quero que ela apareça, e eu forço, forço só que nada acontece, não sinto. Mas eu quero.
Penso que sou carente, demasiadamente, carente até onde não cabe mais de ser. Penso que me faço de forte, mas quando uma coisa cai sobre mim, quando levo um não hostil, um cala a boca, quero chorar horrores. Quando ressaltam meus defeitos, principalmente quando acham melhor insinuar do que simplesmente me falar, eu fico péssima. Prefiro que me falem. Não gostam de mim? É o que dizem, então fale. Sou bem menos autoritária do que pensam, bem menos egoísta e mandona, e me acho tanto quanto um cego em tiroteio, contrariando teorias, essa é a verdade. Estou à flor da pele, literalmente. Não vou insistir mais com as pessoas, talvez (contrariando novamente tudo que eu sempre acreditei) as coisas valham mais a pena que as pessoas. Pelo menos as coisas não tentam te julgar, não são injustas, nem precipitadas.

2 comentários:

meus instantes e momentos disse...

ótimo teu texto, muito bom.
Parece que vc está magoada com vc mesma. Querendo mudar,e sabendo que não vai conseguir, e nem vai adiantar nada mudar.
Gosto desse teu modo sincero de escrever.
Tenha uma feliz semana.
E apareça sempre, é bom ter vc em meu blog. Gosto de ti.
Maurizio

Kari disse...

Há dias que são péssimos. Que as pessoas nos cansam. Que a gente quer fazer tudo, menos ouvir uma voz (até a da consciência)... Mas sabe... Mesmo assim, não acho que as coisas podem ser mais que as pessoas...

Beijão pra tu