quarta-feira, 8 de julho de 2009

Cada cabeça um mundo...

Essa frase eu ouvi a vida toda. Nem sei de quem. Nem se é ditado popular, não sei, mas sei que ela é certa demais. O que difere essa equidade entre todo mundo, essa probabilidade, é a mente. A individualidade preservada. De modo geral parece até que alguns saem em série de uma fábrica, roupas, cabelos, opiniões etc. Corrompidos. Não por querer, mas por já nascer sendo inserido nesse princípio estabelecido. Dentro de casa mesmo somos talhados desde a infância. Lembro quando eu tinha 9 anos e descobri a sensação que causa quando se aperta o bico do peito, não associei a nada, nem pensava em sexo ou coisas do gênero, nem me masturbava ainda. Era só uma criança crescendo e se descobrindo. Mas eu gostava e ficava sempre que lembrava, apertando e sentindo o torpor que dava no corpo, pra mim se comparava a umas cócegas, sendo mais agradável. Até que um dia minha mãe viu. Eu estava no consultório do ginecologista dela, na sala de espera ao seu lado e, inconscientemente, fiquei mexendo, ela prontamente me pegou pelo braço, me levou ao banheiro e eu apanhei na mão. Ela disse que era feio, que eu não tinha idade pra isso, como assim? Eu fiquei chocada, chorando, me sentindo a pior das criaturas, feia e má. Minha mãe não é uma pessoa ruim, é uma ótima mulher, mas naquele momento não era ela falando, eram as pessoas que estavam lá me olhando com reprovação que falavam por ela. E foi essa mesma hipocrisia que me educou, explicando do feio e bonito, do certo e errado, do bom e ruim. Eu não sabia disso naquele dia fatídico, mas hoje eu entendo, e não a culpo. Depois passei a saber o que é fazer escondido....Porém tudo passa. Eu cresci, e armei meu plano de fuga dessa armadilha reservada, me libertei. Sinto sem medo, falo sem medo... Não que agora eu vá me acariciar em público, mas não receio do que pensem dos meus desejos. Até tenho vontade de desafiar certos códigos, chocar um pouco. As pessoas são invioláveis, elas dizem o que querem, da forma que lhes for conveniente. Alguns sorriem quando querem morder e dão o bote quando estamos mais receptivos. Defendem suas verdades dúbias, esculpidas. Apontam o dedo para o que não rege dentro dessa mecânica das normas. Contudo, quando dão as costas extravasam suas doenças mentais, seus excessos, suas taras... Estupram, acediam, torturam, se drogam, matam... A verdade moral de uma sociedade imoral.
Sair dessa teia não é fácil. Um estupro psicológico diário, o que vão dizer, o que vão pensar, minha imagem e não sei o que... Balela. Fazendo ou não seja o que for, a vida alheia sempre é a melhor pauta das discussões dos becos, e isso é fato.

22 comentários:

Anjo vermelho disse...

Nossa simplismente tudo!
eu concordo com cada palavrinha sua.
a vida é quase um regra feita pela sociedade ipocrita um fio na navalha que passa sem cortar na vida agente teme o que pensam o que falam certo que eu nunca temi e por isso sou taum criticada por muitos mais axo que ser livre e ser normal e ser voce sem pudor eu prefiro pensar em se eu chocar falar besteira gritar causar amor odio desprezo piedade toda essa mistura do que viver presa num sociedade sem moral que vive na mentira se escondendo no medo do proprio fracasso.

beijos linda tenha uma otima noite!!

^^

Cadinho RoCo disse...

Em meio a tantas convenções eis que ficamos mesmo provocados a assumir alguma rebeldia.
Do seu comentário no Cadinho, as fotos dos tênis pintados estão expostas na coluna ao lado, é só descer mais um pouco que eles aparecem.
Cadinho RoCo

{Nanda}_FX disse...

Enfim...

esta é a nossa sociedade...
que vive atras de uma mascara constante...
Amei teu texto...
uma bela reflexao...

beijos

AC Rangel disse...

O que mais assusta é lembrar de quão repressiva era a sociedade. Tudo o que é bom, saudável, saboroso era "feio".
Bom saber de quanto atraso nos libertamos. Mas há ainda alguns tabus que persistem. Por quanto tempo?

Melanie Brown disse...

Por mais que eles ainda estejam somente na imaginação, não é nessa sociedade que quero criar meus filhos, de tão forte, crescente, triste e ridículo que é esse nosso mundo, ecidi deixa-los cerser somente lá!!

Muito Obrigada
Pelos Parabens!!


Beiijo's

Laila Braga disse...

existem linhas teóricas que "desconsideram" tal mente... mas sim... cabeças são mundos e são lugares inatingíveis... quase que inexistentes...

Cadinho RoCo disse...

Mais uma passada por aqui.
Cadinho RoCo

Renata Braga disse...

É querida... se todos pasassem a cuidar mais de si, do que das vidas alheias, imagina o quão belo seria o mundo...

Eu, como tu, ja parei de pensar nos outros, eu ligo o foda-se e era isso... se tenho que chorar, choro, se tenho que xingar, xingo.... se tenho q virar as costas viro.

Como sempre... tu me surpreendendo... sempre tem algo realmente bom para se ler aqui....

Muitos beijoss amore!

Sun disse...

Soltarmo-nos do medo da reprovação, da rejeição, da discriminação, do repúdio, da solidão, entre outras coisas que, tantas e tantas vezes, nos assombram o espírito, é sem duvida alguma um grande passo a dar.
Eu tambem fui criada assim, " com o certo, e o errado", com o dito " não faz isso que é feio, não pode!" " as meninas não fazem isso !" bla bla bla...aos poucos fui me soltando disso tudo, destas malditas regras impostas pela sociedade hipócrita na qual vivemos. Dei muita cabeçada, é verdade, e continuarei dando, mas prefiro ser assim, a ser alguém submissa, usada e feita de boba como tantas por aí.

Eu hoje tou pouco me lixando para o que as pessoas pensam de mim.

Gostei do post querida, sempre no caminho certo ;)

Grande beijo

Kari disse...

Eu nunca liguei muito para o que dizem ou vão pensar... Pouco me importo se não estou com a calça da moda, ou com aquele micro vestido que todo mundo usa...

Mas... Que a sociedade é hipócrita, isso é fato.

Beijão

Philip Rangel disse...

É comum a esse meio assumir esse tipo de atitude...

abraçao

Sun disse...

Eu tou prá te perguntar isso, e sempre me esqueço....por quê o aviso de conteúdo no teu blog? :)

Sun disse...

Ah, ok ! está explicado :)
Desculpa, mas a minha curiosidade é aquela coisa...haha

Beijão querida*

Melanie Brown disse...

Ah!!Então todas as 'Éricas' sao prestativas e atenciosas!!Desculpe, nao quis ser pretenciosa, e sim somos brotos ainda!!kkkkkkkk Amiga me arrastou pra comemorar num lugar novo, pessoas novas, novas paqueras rsrs, escaparam de mim os INcomodos e eu me sinto BEM melhor!!!
Ah!Serão sim, já mudei de ideia outra vez, os meus virão e farão a diferença!!Sorte pra nos ne?!rsrs
Milhoes de beijos
Carinhos duplamente recíproco!
:D

paula barros disse...

Eu ainda continuo achando que todos nós temos os não ditos, ou pelos menos não dizemos tudo a todo mundo, justamente para não sermos julgados, mal interpretados, mal falados.

Mas é feito o título diz, cada cabeça é um mundo...e o mundo/sociedade nos cobra isso a todos instante.

abraços

~*Rebeca e Jota Cê *~ disse...

Adorei!

Su disse...

Temos que sempre quebrar "as regras", afinal de contas a sociedade é feita por eu e vc!
Se não começar a mudança por nósmesmos, por onde começariamos!
Amei seu blog, fiquei aqui me deliciando com seus textos!!

Gde bjo!

Poetíssima disse...

Parabéns..
fico realmente sem palavras..

Abraços!

Rafael disse...

Hum, não sabia que vocês mulheres gostavam tanto de ter seus bicos dos peitos apertados. Vou passar a aplicar esta técnica com mais frequencia.

On The Rocks disse...

ótimo post, érica.

concordo com tudo que você escreveu.

eu tomei um susto da zorra quando me masturbei pela primeira vez e vi o esperma sobre minhas pernas!

é por aí...

tô linkando seu blog no on the rocks.

bj

Fabricante de Sonhos disse...

"A verdade moral de uma sociedade imoral."

E o que é a moral? E quem tem toda razão?
E quais são essas verdades absolutas?
Muitas perguntas com uma infinidade de respostas...
Sim... cada cabeça é um mundo. E o importante nisso tudo é sermos honestos e verdadeiros com nós mesmos... Nossas idéias e nossas verdades.

Adorei o texto. Aliás... Adorei o blog!
Muito bom...
Voltarei...

O Profeta disse...

Ao meu querer!
Dias noites, estações esquecidas
Inventei sonhos para sonhar
Lavei mágoas, dores perdidas

Uma árvore toca as águas da lagoa
O nevoeiro faz desenhos nas cumeeiras
Um Melro negro solta um pio ao acaso
A palavra quero-te diz-se de mil maneiras


Convido-te a ver a Cor da Claridade


Doce beijo