quinta-feira, 23 de julho de 2009

Entre as linhas... (1º ato))

Haviam vários espelhos por todos os lados. Abissais. Cobrindo superfícies inteiras. O chão amadeirado brilhando, refletindo sua imagem. Uma meia luz resumida amarela, ela com um vestido solto claramente consumido pelo tempo, alguns rasgões de lado, cabelos presos pela metade e sapatos que estalavam no chão ao toque dos seus pés. Inquietante e agradável. A intimidade que contraria a memória. Mesmo confortável nunca havia pisado naquele plano. Uma música toca, não sabe por que mas precisa dançar. E dança. Sapateia lindamente. Sabe dos passos, os segmentos, sincronia perfeita dos gestos... Como? Apenas segue uma intuição natural, de como quem já nasce com ela, como quem já nasce sabendo sua dança. Percorre aqueles espaços levemente, quase voando em cada salto. E como lhe agrada aquele som seco das sapatilhas tocando o tablado... Familiar. Estende uma das mãos ao nada, e o nada a entrega um chapéu. Um chapéu–coco, ou de coco, como dizem em Portugal, duro, de copa redonda e aba bem curvada dos lados. Amava esse objeto e nunca havia o visto. Porém, estranhamente, em sua cabeça servia a medida exata, como algo que é feito para ser exclusivo e apesar da aparência desgastada, fazia parte do show. No escuro ela brilhava. Na lisa superfície a luz guiada em sua direção dançava acompanhando seus movimentos. Preciso. Ensaiado...

(continua)

14 comentários:

Bárbara (B.) disse...

Risos. Me lembrou Sabina e a Insustentável.

:)

Poetíssima disse...

Nossa... misterioso..
No aguardo!

Me permita disse...

Oi!
Tirei um tempo para descansar um pouco e p por alguns trabalhos em dia! Teu blog é uma bela combinação de palavras, todas repletas de imagens e sensações! Uma bela viagem pelo nosso interior! Peço paciência se não te visitar sempre, a vontade é grande de visitar os amigos blogueiros, mas o tempo é curto... mas, sempre que puder, estarei por aqui! Abraços!

O Profeta disse...

Pintei em traços vibrantes
Aprisionei a beleza e a harmonia
Dancei no sabor de irreverentes matizes
Misturei a aurora com o fim do dia

Um violoncelo soltou duas notas sorridentes
Dançaram as cores de forma trágica
Os pincéis inventaram a doçura do teu rosto
Em movimentos de rodopiante mágica


Bom fim de semana



Mágico beijo

Anjo vermelho disse...

Olá!!
um ameu cheio de detalhes e um misterio quem é de onte o que faz oq eu fará... *-*
to esperando...

bom fds!!
desculpe ter sumido,é muito serviço!!mas prometo vir mais ao seu cantinho!!


beijos enormes em seu coração

Layara disse...

Dançamos tal qual a protagonista da peça. Somos dançarinos no palco da vida.

Está Belo, extasiante.

Parabéns!

Um beijo Lilás!

(gostei e voltarei)

Sun disse...

Olá minha querida, um óptimo final de semana para ti também! Aqui vai ser de muuuuito calooor....:)

Adoro as tuas descrições, os teus cenários, o sentimentos pincelados nas entrelinhas, a sincronia entre os personagens ( reais e fictícios), adoro te ler, enfim...

estarei atenta :)
Grande beijo

Cadinho RoCo disse...

Na expressão do sentimento o gesto que ninguém vêw.
Cadinho RoCo

Dil Santos disse...

Belíssimo
As vezes nosso corpo parece ser movido por uma música, que ao tocar ele insiste em se movimentar, com gestos simples e delicados as vezes ou bruscos e agitados em outros.


Bjos

:)

On The Rocks disse...

fofinha,

vou aguardar a continuação... começou bem.

bj

Renata Braga disse...

Adoro isso... esperando o 2º ato anciosa...


Bejoss baby!

Melanie Brown disse...

Eu sei com é esta dança...

CRis GaRcia disse...

Tornei Seguidora.. :)

Aguardo continuação ;..!

beijooo*-*

Salve Jorge disse...

Ela dança
E o mundo dança
Tal qual ela
Nessa tela
Dou trela
Com esperança
De que conforme avança
Os sentidos
A cada linha trança
Nos intertícios lidos
Gotas de infinitos...