terça-feira, 27 de outubro de 2009

Pernas pra que te quero pernas porque te quero pernas...


Nossas pernas cansadas
entrecruzadas no ar
entregues ao nada
esperando janeiro chegar...

Desejo...

Esse meu desejo por tuas pernas, esse meu fetiche eterno, Érica
Fico a te poetizar em meu inferno particular,
Santa Érica

A me banalizar...


Essa é tua última chance
Chora
Tola Érica
A esperar...

(Eu, para Tu, com carinho)

9 comentários:

Dilberto L. Rosa disse...

"Para que tanta perna, meu Deus, pergunta meu coração"... Drummond não sabia de nada... Sei muito bem das pernas, preferencialmente as roliças, e todas as suas reentrâncias... Eis um belo fetiche! O resto é esperar! Beijo grande!

Alisson da Hora disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
Renata Braga disse...

Nossa!
Sem palavras.. Doce Érica.

O resto, é esperar....

Muitos bejosss.

paula barros disse...

Pernas - lembrei de umas que vi uma vez.

Um poema que está gostoso de ler, e trouxe lembranças gostosas.

abraços

Marcelo Mayer disse...

na falta da ética irá gozar

Salve Jorge disse...

Parecem eternas
Essas pernas
Nessa pena
Caverna
Onde o louvor hiberna
Que um peito condena
A caçar uma idéia tão plena
Capaz de fazer terrena
Essa dádiva terna
Que até a magnificência do sol drena
Pernas, pés, coxas
Vontades frouxas
És...

D.Ramírez disse...

REalmente pernas. belas, como o texto.

Besos

Daniel disse...

Tem poesias e textos que leio em alguns blogs onde fico curioso o porque da escrita ou da poesia. E esse é um caso.
De qualquer maneira achei bonito.
Beijos

Ovelha Elétrica disse...

Só para te avisar, peguei emprestadas as pernas do teu post para o meu blog (só a imagem).

Gostei das poesias (pelo menos das que li).

Super abraço, eternapaixonada.