quinta-feira, 18 de fevereiro de 2010


Um detalhe apenas e tudo muda, e de repente você não é mais tão racional assim, nem consegue separar as coisas. Tudo se mistura, e na verdade, você nunca soube como delimitar espaços.

Passei a querer algo inusitado e que meche comigo, sensações que eu nem sei explicar em palavras, mas que são trazidas por elas: As palavras. Um estrago que elas fazem dentro de mim, uma verdadeira ressaca que tenho delas, me entorpecem e me excitam... Nossa, e como excitam essas danadas.

Eu ando sentindo tudo, saudade, paixão, ciúmes, desejo e criando expectativas em cima de ilusões. Não sei se é certo, se é normal. Não gosto de determinar sentimentos, nem acho que seja possível fazer isso. Não há como controlar o desconhecido, o que é tão grande e tão fugaz.

O que foi que te fez sentir diferente? Ninguém sabe a resposta, e mesmo que tente, faz bem menos sentido explicar, uma hora chega e pronto. Não há razões fundamentadas pra isso, nem é necessário que aja.

Você vai indo com a maré, ondas que te cobrem e te empurram pro fundo, e todas as vezes que você insurgir, outra virá para te afundar mais. Ainda que isso não precise ser tão ruim, tudo vai depender do que eu vou encontrar lá embaixo... Pode ser bem lindo, azul, tranqüilo e emocionante... Ou não.

Só não queria as dores, aquelas dos amores. Queria pular essa fase. Não quero me curvar, me desmanchar em lágrimas, perder as forças pra o mundo, pra os outros. Não quero focar tanto em alguém a ponto de me perder. Tenho medo, muito medo da paixão e de tudo que vem junto com ela, como parte de um pacote onde não se sabe o conteúdo. Surpresas que angustiam o coração.

Vou me dividindo no momento, alegrias, dúvidas, perturbações providas dos pensamentos inquietantes, esperanças e esperas. Até passar. Ou até eu ouvir aquela voz novamente... Ela sempre me responde várias coisas, mesmo que eu não perceba, sempre muda de um jeito ou de outro.

19 comentários:

Renata Braga disse...

Tudo que eu queria dizer, tudo que eu sinto... está descrito nas tuas palavras guria...

Parece que pensamos, e agimos da mesma forma...

Criar expectativas em cima de ilusões... a vida como ela é.

Sempre surpreendendo.

Beijoooo

Sarah Slowaska disse...

A voz. A voz que tantas vezes ignoramos,possui todas as respostas. Cabe-nos a nós interpretarmos o que ela nos diz de maneira correcta, sem perdermos a coerência.

Gostei!
Um beijo

Marcelo Mayer disse...

é minha cara, as vezes ficar doente é um bom genócio

Canto da Boca disse...

Será que se pode sempre separar a vida da... vida? Penso que chegar a esse nível de reflexão e de desejos, é seguramente a consciência de que se está crescendo, aprendendo, vivendo... Via de regra viver parece ser uma grande e diária lição. A dor seria dispensada, mas nem sempre é assim que as coisas acontecem.

Beijo, menina linda, e gosto de vê-la em seus vôos!!

Erica Ferro disse...

Sabia que eu vivo criando expectativas em cima de ilusões?
Aliás, eu sou muito experiente nisso, rs.

E vem a dor.

Beijo, Érica. ;)

Katy disse...

Sei como é....tenho vivido essa confusão tbm...vago entre o desejo de me entregar, acreditar...e a racionalidade....
É tudo muito confuso, mas depois percebemos que já fizemos a escolha.....rsrs...
Beijos, amiga!

Poeta de um mundo caduco... disse...

Que sentimento intenso...
Ah,quem dera se pudéssemos pular a parte do amor assim,opcionalmente!O problema é que junto com a paixão,o desejo,o carinho,muitas vezes,nasce o amor...

Medo,sempre temos...Mas não podemos deixar de viver,de arriscar e de se entregar a estas vontades...

Lindo post.

Bjos...

Ferdi disse...

Ninguém quer a fase da dor, mas ela sempre vem e é a que dura mais.
Mentira, não sou pessimista assim :*

On The Rocks disse...

fofinha,

você é uma gracinha.

bj e bom fim de semana.

Dilberto L. Rosa disse...

Quanto sentimento... Uma pena as coisas mudarem tanto, num turbilhão, de uma hora para outra mundos caem e são reerguidos... Humanos (que tantas vezes nem merecem tanta coisa), tentando lutar contra sentimentos tão fortes, um pouquinho antes de se esvanecerem ao nascer do sol... Muito bonito e cheio de questionamentos sem resposta: o jeito é seguir... Não é?! Um beijo bem grande!

Cadinho RoCo disse...

Tudo muda sempre.
Cadinho RoCo

Francisco de Sousa Vieira Filho disse...

A divisão é sempre metafórica, embora tome ares de divisão de fato... somos isso, esse caldo complexo de coisas [por vezes] antagônicas (ou que tomamos como se o fossem...) Assim a razão, intuição, institinto a se debaterem em nosso íntimo... :)

A Magia da Noite disse...

as palavras são como dedos que o corpo afagam, despertam sentidos, acalentam paixões e depois... fazem nascer as tentações.

Melanie B. disse...

Eu poderia dizer muito nesse comentario, mas nao precisa, voce já sabe o quanto sou sua fã.Muito do que escreveu eu ja senti tanto...E algumas coisas também pra elas eu nem me atentei, por enquanto tô em paz, tua refelxaõ me fez refletir tbm, e diminuir o medo.ótimo texto.

Beijosssssssssssssssssssssss
Obrigada por ir lá!!!!!!

Bia Maia disse...

Minha linda...

Este blog é perfeito!

YESSSSSSS!!

Cada palavra que escreveu aí me cabe..cada uma...

Mas...lhe confesso que sou corajosa...

Se dóe a dor do amor...?Pra caramba...mas PASSA...

TUDO NA VIDA PASSA...

Mais vale uma dor do AMOR, do que não ter AMADO...

beijos e linda segunda-feira para você!!

Bia

~*Rebeca e Jota Cê*~ disse...

E se a paixão não fosse tão desafiadora, não escreveríamos textos em sua homenagem. Nem pra dizer do bem que nos faz, muito menos pra dizer do mal que nos causa quando falha o alvo.

É isso aí!

até mais.

Jota Cê

Daniel disse...

Ilusão? Iludir-se? Nada mais é do que sonhar com o impossível.

Quanto a sua pergunta sobre minhas músicas... aquela não é uma letra de música da minha banda, mas a da minha postagem de hoje é sim.

Ainda não temos myspace porque a banda é nova, mas já temos algumas coisas nossas prontas e que inclusive estamos tocando ao vivo.

Essa de hoje é recente, ainda vamos terminar.

Beijo

SolBarreto disse...

Nunca vi um texto ser tão meu momento como esse, colocou em palavras o que venho tentando definir em mim...
Obrigada!!
Não e atoa que sigo este blog rsrs

Fernando Ramos disse...

Essa dor é inevitável. Só não desejo que seja como aquelas perpetuadas por tantos poetas.

E na boa, seja bem-vinda à Confraria dos Trouxas, digo, dos Românticos. ;)