sexta-feira, 26 de março de 2010


Dias válidos, cheios dessas coisas lindas, recíprocas e inesquecíveis. A experiência de viver um amor irregular, não pela força ou medida, mas pela velocidade que ele desprovia para ser mais inteiro.

Tão intenso que pintou os dias e as tardes. Quando não se esperou, desenhou as noites em tons de sonhos admiráveis. Apesar de construídos a força de um abalo sísmico, ostentava uma harmonia inabalável. E ela deixou, consentiu. Amou! Amou tanto que doeu... Até todas as lágrimas que tardaram a cair, precipitar-se sob prantos indiscretos, e em momentos idem.


O amor insistiu muito... Para saber demais.

Ela tanto que poupou seu coração, terminou por ouvir a voz: “...eu preciso saber da sua vida..." Queria entender, mas parecia que finalmente ia ser bom jogar os desejos secretos em mãos confiáveis, e junto, entregar todo o fino tecido de pele, nervos e paixão.

Mostrou-se ao avesso. O melhor e o pior: células, sangue, veias, coração e pensamentos de insegurança e ciúme. Suas fraquezas. Sempre tão reservadas, tão suas, agora violadas. Então, se não fosse para ser, porque foi? Ela não quer ocultar seus monstros, nem muito menos incitá-los, mas precisa cuidar da parte dela. E como se faz isso sem mostrar os dentes?



No mais, era tudo lindo... Paisagens, ilusões. Cada canção cantada na voz que mais parecia paz. De uma boca que mais parecia sol. Em dias que mais pareciam luz... E sem saber que existia assim, tudo isso desse jeito; viveu o tanto em tão pouco.

Era mesmo o que queria... Somente a música... Somente a poesia.

Nesse ponto o mundo passou a rodar diferente e o tempo contado em palavras, tirou o valor dos segundos. Mas nunca que o mundo iria parar, a não ser que os versos calassem. E junto todo seu alento, todo seu encanto...

quarta-feira, 24 de março de 2010

Apresentação.

Amigos blogueiros de plantão.
Hoje venho indicar um novo e categórico ambiente para esse mundo “blogosférico”: Alienatio Mentis, no qual inaugurei com muito orgulho a sessão Mente Convidada atendendo o pedido amistoso de sua idealizadora e amiga Milla Borges que acompanho há algum tempo como escritora em outro qualificado espaço: Fabricante de Sonhos. Agora peço a vocês que prestigiem acessando os links acima.

Beijos a todos!

terça-feira, 23 de março de 2010

A chuva... aaah, a chuva.


Está chovendo e só estou escrevendo pra dizer o quanto acho bonito um dia de chuva.
Agora daqui da janela vejo um céu pintado de uma cor fechada, indecisa, não é branca, nem é cinza, meio chumbo, não sei explicar, porém, lindo de morrer. Parece que desceu um pouco mais pra perto de nós. Daqui de cima, vejo um monte de sombrinhas abertas e me lembro de uma época em que eu preferia me molhar a utilizar tal acessório, achava feio, brega. Sempre tão estampadas, escandalosas. Hoje acho tão romântico. Pois é, eu acho sombrinhas abertas romântico. Toda vez que o tempo fica assim, como está hoje, tento pensar que não estou em 2009, que não sou do Recife, que a cidade é mais limpa, que as pessoas são mais felizes com suas sombrinhas floridas abertas, Gene Kelly cantando na chuva e o véu de seda da Cyd Charisse, com mais de sete metros de comprimento, esvoaçante, pairando por nossas cabeças. Ai que delícia.Agora deve ter gente com preguiça numa cama quentinha, com um amor do lado, um cheirinho de afeto, sem vontade de levantar. Eu estou aqui, no meu trabalho, cansada, com sono, meio com febre por causa de uma gripe infame, com saudade de tudo isso que ainda não vivi.
Levantei pensando: "o que eu invento pra faltar?", porém, desisti de tal pretensão, não havia motivos reais, nem minha cama quentinha era suficiente sozinha. Me resignei e estou aqui agora. Penso que eu merecia um peito gostoso pra deitar, um café bem cheiroso, bolo de pão de ló e pão de queijo, um escurinho, uns dedos entre meus cabelos, uma respiração íntima se misturando com a minha, um cansaço de uma noite de amor... Ai, ai.
“I'm singing in the rain,
just singing in the rain.
What a glorious feeling,
I'm happy again”…

segunda-feira, 22 de março de 2010

Por hoje...

Queria um abraço longo e apertado com cheiro de mar;
Um beijo de amor, ainda que não fosse na boca,
Um beijo na testa ou no canto do nariz... Mas de amor.

Queria uma saudade menos doida, menos abstrata;
De algo mais real que sonhos vencidos.
Queria uma mão pra não soltar da minha até criar grude de suor.

Um olhar de compreensão dizendo: ta tudo bem
Numa tarde cinza e fria, com minha cabeça amparada num abraço dedicado.

Queria ser menos cruel comigo e poder dizer a alguém os meus medos e as minhas derrotas... E tudo mais.
Alguém que me amasse, mesmo depois de ouvir o meu pior;

Queria um simples dia perfeito e o bom de estar junto.
Assistir o por do sol entre frestas de persianas sentindo os olhos pesados depois de um beijo apaixonado... Sem vontade de parar.

Queria fotos de momentos inesquecíveis e não sentir tanta vontade de chorar.

Queria um milagre;
E borracha pra apagar dores sem nome.

quarta-feira, 17 de março de 2010

Alvorada...



- Não vives
Nem respiras
Sem mim:
Tu nem sequer gozas
Sem que eu diga que sim...!

- Por isso mesmo
Não me deixes,
Ne me quitte pás...
Agora que o Sol deu de brilhar
Vens me falar em despedida?...
(Logo tu, que tanto sabes do mar?...)

O mar reluz só, sereno, ao largo e ao léu
E eu, diante da imensidão risonha deste céu,
Sigo sem entender a lágrima de tua partida...

domingo, 14 de março de 2010

"Você não é um super-herói:
você é um ser-humano
com todas as falhas que lhe são inerentes..."

Can you read my mind? - Love Theme From Superman The Movie
(Trad.: Você pode ler minha mente? - Tema de amor do filme Superman)
John Williams/ Leslie Bricusse

Você pode ler minha mente?
Tem noção de tudo isso que você causa em mim?
Eu nem sei direito quem você é...
Só um amigo de uma estrela distante...

Aqui estou eu
Como uma criança de escola
De mãos dadas
Com Deus. Sou tão tola ...
Quando você me olha,
Como uma garotinha trêmula
Você pode ver através de mim
Você pode ler minha mente?
Você pode ver as coisas que eu estou pensando,
Imaginando por que você é
Tudo de maravilhoso que você é...?

Você pode voar!
Você pertence ao céu!
Você e eu poderíamos pertencer um ao outro...

Se você precisar de uma amiga
Sou eu quem você pode procurar voando...
Se você precisar
Ser amado
Aqui estou eu, leia minha mente...

quarta-feira, 3 de março de 2010


Seria como as verdades que atordoam
Se esse silêncio clínico
Não atravessasse
A fronteira das superstições
Se tornando em mentiras infundadas.

Seriam apenas verdades acabadas
Onde a escolha não teria critério
A não ser asilar a suposição
De uma possível mentira de paixão
Atrelada somente ao exagero...

segunda-feira, 1 de março de 2010

É tudo dele...


ELE me escreveu a canção do último 'post' e me pintou com suas tintas únicas... Só ELE sabe de mim assim e me pinta como ninguém o fez antes... ELE é de todas, eu nem ligo... ELE é meu melhor amigo... Meu Homem, meu Dono, meu Crime e Castigo!


À espera de tuas palavras a marcar meu corpo como um datilógrafo meticuloso em cada tecla de meus poros...


"Eu sou sua menina, viu? Ele é o meu rapaz... Meu corpo é testemunha do bem que ele me faz..."