quarta-feira, 26 de maio de 2010

Quando Os Heróis Saem de Cena...



Volte, logo, Dilberto...


À beira


Concluí-me, nesta noite
À beira de meu início

O sol, o dia,
A porta que se abre
Ao me saber recomeçar
À beira do precipício...

Finalizo, solenemente, meus remorsos
À beira de meus próprios artifícios

Tenho as mãos abertas
E a mente fechada
(Do coração, nem falo mais nada)
À beira do meu sacrifício...

O escuro do tempo da chuva à tarde
À beira do derradeiro solstício...

– À beira de onde começa o vento
Termina o vício de me fazer eterno:
Encerra-se mais um poema vazio
Bem onde a poesia tem seu início...

(Dilberto L. Rosa, 2006)

sexta-feira, 21 de maio de 2010

Tu Es Ma Came


Carla Bruni
Composição: Carla Bruni

Você é meu vício
Meu produto tóxico, minha volúpia suprema
Meu encontro preferido e meu abismo
Você floresce até o mais doce da minha alma

Você é meu vício
És o meu tipo de delícia, de programa
Eu te aspiro, eu te expiro e desmaio
Eu te espero como se espera o maná

Você é meu vício
Gosto dos teus olhos, dos teus cabelos, do teu aroma
Venha então que eu te provo que te fumo
Você é o meu belo amor, o meu anagrama

Você é meu vício
Mais mortal que a heroína afegã
Mais perigoso que a cocaína colombiana
Você é a minha solução, o meu doce problema

Você é meu vício
A você todos os meus suspiros os meus poemas
Para você todas as minhas orações sob a lua
A você a minha desgraça e a minha fortuna

Você é meu vício
Quando vai embora é o inferno e as suas chamas
Toda minha vida toda minha pele te reclamam
Diria-se que você escorre nas minhas veias

Você é meu vício
Sinto-me renascida sob o seu feitiço
Eu te quero que até vendo a alma
Aos teus pés eu jogo as minhas armas
Você é meu vício.
Você é meu vício.

quinta-feira, 13 de maio de 2010

Tinha que ser assim...


Fui levando meu canto em silêncio,
Dentro do habito de um mesmo espetáculo
Até saber que era você,
Que iria trazer a nota certa,
E o ritmo do meu coração desafinado.
Os nossos passos guiados por canções de amor,
Que você canta na voz mais linda,
Todos os melhores versos
Que alguém um dia já escreveu.
Agora é mais bonito... Muito mais.
Tinha que ser assim, justinho você.
Hoje, eu só queria
Deitar no teu peito nessa
Ilusão doce enfeitada de palavras, com a
Luz entre persianas a nos voyerizar.
Bebendo tua saliva em beijos colossais
Encostada no teu corpo.
Rindo da tua timidez ao ouvir minha devoção...
Teria prazer em poder passar o dia ao teu favor
Observando teu sono, sem sentir o tempo passar.
Sabe... Hoje o dia não será apenas tempo.
Nem rua e calor, somente.
Hoje o dia será oração.
Hoje o dia será ... Seu e meu
Para sempre...

Bateu Amor à porta da Loucura ...

Bateu Amor à porta da Loucura.
"Deixa-me entrar - pediu - sou teu irmão.
Só tu me limparás da lama escura
que me conduziu minha paixão."

A Loucura desdenha recebê-lo,
sabendo quanto amor vive de engano,
mas estarrece de surpresa ao vê-lo,
de humano que era, assim tão inumano.

E exclama: "Entra correndo, o pouso é teu.
Mais que ninguém mereces habitar
minha casa infernal, feita de breu,

enquanto me retiro, sem destino,
pois não sei de mais triste desatino
que esse mal sem perdão, o mal de amar."

(Drummond - Livro A Paixão Medida)

sexta-feira, 7 de maio de 2010

Filippe



Do coração apenas caixa,
Lacrada para a dor que sente.
Um pequeno príncipe arteiro,
Brincando de viver.
Só quer um carneiro,
Para comer o espanto
Do seu mundo santo,
Cantado das poesias
Que carrega por dentro;
Toda inquietação,
Sem deixar de sorrir, sequer
Uma luz qualquer
Para o resto do mundo.
Exibe a face de um homem/menino,
Que brinca de ser feliz... Chorando.
Segue o caminho que fez,
Ansioso, para não desaprender
De ser assim: todo canção.

ps. Parabêns, meu bem. Um presente dessa amiga, média, que tu tens. rsrs