domingo, 21 de novembro de 2010

Ninguém aprende samba (nem amor) no colégio...



Vi Paul recortado aos pedaços pela TV, mas depois preferi Noel em minha varanda, a me lembrar que o samba não tem tradução: lancei mão de algumas almofadas pelo chão e me lancei a um vinho nesta melancólica noite sem luar, sem violão... Fiquei a pensar nele, meu adorável malandro inconteste de caseiros botequins, eterno pierrô apiaxonado por suas mil columbinas (espero muito ser uma delas!), e concordei plenamente com tudo o que me lembrava o genial de Vila Isabel e sambista-maior de nossa Música: "essa gente hoje em dia que tem mania da exibição não se lembra que o samba não tem tradução"... "Quem acha, vive se perdendo; por isso agora eu vou me defendendo da dor tão cruel desta saudade que por infelicidade meu pobre peito invade"... "E quem fala mal do amor não sabe a vida gozar; quem maldiz a própria dor tem amor, mas não sabe amar"...

Assim fiquei pensando nele até que o apito duma fábrica de tecidos daqui de perto, quase ferindo os meus ouvidos, me lembrou que já era tarde... Ou cedo... Só digo, amado Noel, que meu último desejo antes de tentar dormir será sempre a ilustre visita daquele poeta malandro e gago apaixonado das belas promessas de amor ao meu barracão...

5 comentários:

Dilberto L. Rosa disse...

Bela homenagem ao seu malandro e ao "malandro" que deu cara e voz para nossa gente e nossa samba como música poetizada e popular, ao mesmo tempo! Viva Noel! E viva você! Abração!

On The Rocks disse...

eu gosto de ler seus posts, o problema é o tempo e suas complicações...

tô sem internet em casa!

bj

José María Souza Costa disse...

Engraçado. Muito bom.Mas, estou cá, lhe chamando a visitar o meu blog, e se possivel seguirmos juntos por eles.Estarei grato esperando por vc, lá
Abraços

FERNANDO COSTA disse...

Descomplicado na veia.
Deu até pra sentir o cenário e adentrar pela porta da noite e deparar-se num vasto espelho diante nós. (nós que nos unimos em palavras)

Dai fui vitima da saudades de quem amo, arrastado pelo corpo e voz de Bethania...Aqui (NO TEU CANTINHO)tudo é como samba, não se traduz, não se conduz, mais muito se sente...

É TANTA TRANSPARÊNCIA QUE EU TENTAREI DORMI TÃO CEDO.

Vinho pra dois - por favor !

Salve Jorge disse...

Mereces tantos poetas
Uma Vila cheia deles e delas
Que façam pra ti poesias e telas
Deixem de lado a simplicidade das retas
E em um samba de cadência
Consigam expressar a magnificência
De um moça na varando bebemdo a arte milenar do mundo
Com ímpar inquietação
Que seu verbo fecundo
Não só faz menção
Mas faz da ilusão
Um compasso de dança melhor que o real...