sábado, 6 de novembro de 2010

O Amor

Segundo o poeta Haroldo, figura emblemática das ruas do Recife, como tantos outros poetas incompreendidos que vendem suas inspirações por qualquer cigarro barato ou um copo de cerveja, disse uma das coisas mais lindas que eu já vi sobre o amor:

O amor é: O que dizes, o que digo.
És comigo, sou contigo. Sem o plural.
Em um só dizer, em um só falar,
Em só um pensar... Em um só tempo igual.
Nada celebro sobre aquilo ou isto,
Nada insisto, nada julgo o modo de ser.
Nada modelo, o misto ou o uniformemente.
Sou presente, como o estimulo que se vê...

(Lembrei de você, amor)

8 comentários:

Dilberto L. Rosa disse...

Um rompante, num eterno crescente, simplesmente dizendo tudo sem dar maiores explicações: é o que é, porque um permanece no outro, não importa o que aconteça... Belo poeta perdido este seu: deste-lhe cigarro, um copo de cerveja ou o brindaste com tua poesia?! Bonito 'post': abração!

A Mina do cara! disse...

realmente muito bonito!

um beijo

FERNANDO COSTA disse...

Poesia, Amor e Lembranças

Na rua ?

Toda Palavra Dança !


***************************

Saudaçoes a vc e a quem você ama, é sempre bom aprender com o que se lê por aqui...

Excelente Semana.

Fernando Costa
Lagos-Nigéria.

On The Rocks disse...

a "profissão" poeta é, pra mim, a mais injusta do mundo.

bj

Aninha disse...

Que lindo isso!!!!!!!!!!!!!!

artur disse...

Bunito de todo!

saudações!

Alê Quites disse...

Agora que moro numa terra quente, tenho conhecido bons versos nordestinos.
Beijos

Luanda Moura disse...

Lembrou de mim?!

Obrgada!

(numa tarde carente de carinho, amiga, perdoe)