quinta-feira, 11 de agosto de 2011


Sete dias... Passam.
E mais sete surgem no momento que pisco.
Desses sete quatro vezes... Um mês.
Que eu guardo em algum lugar dessa história,
Que alguém conta sobre “Eu”;
“Eu” dorme; “Eu” acorda; “Eu” come;
“Eu” bebe; “Eu” fala verdades;
“Eu” também fala inverdades...
“Eu” não faz nada demais,
Mas pensa como ninguém
E deseja como todo mundo,
Ser mais que coadjuvante dessa história
Onde as falas só valem quando são ditas,
Mas morrem quando pensadas...
Que nem o dono daquela empresa,
Rico qual todos invejam e vai morrer,
Assassinado na novela.

3 comentários:

Salve Jorge disse...

Protagonista
Na sua lista
Basta seguir a pista
Que a rotina você despista
E se do que almeja dista
Basta que insista
Porque entre tanta gente autista
Você é artista
Um tanto impressionista
Outro tanto surrealista
E não há mundo realista
Que seja maior que sua vontade
Eu sou suspeito na verdade
Não tanto por respeito
Ou por amizade
Mas por saber que pra toda necessidade
Que grita no peito
Tem um jeito
Para além do aceito
Então assista
Mas faça sua própria novidade...

P.s - Não pare na pista
É muito cedo pra você se acostumar
Amor não desista
Se você para o carro pode te pegar..

Você me xingando
De louco pirado
E o mundo girando
E a gente parado

Meu bem me dê a mão que eu vou te levar
Sem carro e sem medo do guarda a multar
Meu bem me dê a mão que eu vou te levar
Sem carro e sem medo pra outro lugar...

Felicidade Clandestina. disse...

Genial esse texto, de verdade!

On The Rocks. disse...

Fofinha, eu estava viajando - três meses e meio na estrada. agora que cheguei, te visitarei com mais frequência.

bj