quarta-feira, 14 de setembro de 2011

Dia do Frevo


Ó, linda:
Como ferves!
Lá danças
Que tuas pernas tremem
Cá finjo eu
Que dou alguns passos
Na minha solidão
De mil frevos-mulheres,
Perdido choro teu...
– Mas o que queres
De mim, afinal:
Sabes que danço mal;
Elas me levam...
Mas só tu freves,
Sambas, maxixas,
Frevas feito louca
(Ciúme maluco!)
Na frente do meu bloco
Brigando com quem atravessar
– E viva Pernambuco:
Eu mesmo
Que não sou de ferver
‘Inda vou contigo
À Olinda
Em tuas pernas bonitas
Me evaporar...

(ELE)

6 comentários:

olhar disse...

sabe...já estive lá em Olinda e é mesmo muito lindo apreciar o verdadeiro frevo!!

beijos!

Bia

Érica disse...

Se eu pudesse mostrar o que você me deu, eu mandava embrulhar, chamaria de meu. Melhor forma não há, pra guardar um amor, então preste atenção ou me compre uma flor...

Amor!

tossan® disse...

À Olinda...Ó Linda, que saudade! Belíssimo post. Parabéns. Beijo

Ruby disse...

Oh,linda maneira de poetar!

Erica Ferro disse...

Eita poesia linda!

Eita Pernambuco bonito!

HAHAHA =p

Beijo!

Jota Effe Esse disse...

Frevo, Olinda, Pernambuco, quem conhece não esquece jamais. Meu beijo.