domingo, 13 de novembro de 2011

Super-Homem



Não sei o que me aconteceu... Foi tudo verdade ou um sonho... Estou sonhando agora? Sonho que vôo junto a ti de novo... Isso é mesmo verdade?

Antes que eu esqueça de te contar, assisti Farrapo Humano, Blow up e um que não foi você quem me indicou (mas a professora do curso de roteiro, aquele que fiz na semana passada... Ou não fiz?) Chinatown. Bem, adorei este último, muito: sensacional o Jack Nicholson nesse papel. Farrapo Humano eu gostei também, mas menos que Crepúsculo dos Deuses, que, como tu mesmo disseste, é uma obra-prima! Farrapo Humano até achei bom, porém, não sei, não foi o mesmo impacto que os outros, sabe? Meio cansativo, com umas cenas muito longas e repetitivas e o final, decepcionante... Já Blow up eu não gostei, amor: sério, mesmo, achei chato, cansativo e, sinceramente, eu devo ser muito burra, porque eu não entendi nada, não fez nenhum sentido pra mim. Mais confuso que David Lynch - que eu sei que não gostas (ou... gosta?)!

Mas e quanto a nós dois? Eu me lembro de teres feito tanto por mim, tanto... Feito todas as minhas vontades... Largado mesmo de salvar o mundo um dia inteiro só para falar comigo a toda hora em que eu pensasse em ti... Ou eu sonhei com isso? Sonhei que a gente viajava para um lugar distante, só nosso, onde não tínhamos hora marcada para desfrutarmos um do outro...

Ah, antes que eu me esqueça: vou comprar uns chapéus e uns acessórios, e vou vender; vou ficar rica, amor! Não, eu não vou vender nada na feira: você sempre com seu humor do outro mundo! Sério, serei uma empresária e, logo, logo, eu te salvarei do teu emprego como repórter daquele jornaleco... Como é mesmo o nome? Ei, mas peraí: eu também sou jornalista, não sou?! A gente trabalha junto, né, amor? Não fizemos juntos aquela matéria sobre o Porto de SUAPE?!

'Hay tanto que quiero contarte, hay tanto que quiero saber de ti... Ya podemos empezar poco a poco, cuentame que te trae por aqui. No te asustes en decirme la verdad, eso nunca puede estar así tan mal, yo tambien tengo secretos para darte, y que sepas que ya no me sirven más... Hay tantos caminos por andar... Dime: si tu quisieras andar conmigo? Cuentame: si quisieras andar conmigo??? Ei: desde quando eu falo Espanhol?! Se eu mal tropeço ainda nas aulinhas de Inglês! Estou sonhando, né, amor?!

Ah, já sei: tens que ir agora novamente, né? Mas... A gente dormiu junto, né, amor? Tu voltaste o tempo pra me salvar, do jeitinho que me disseste, não foi? Eu choro tanto, sofro tanto, sempre que me dizes adeus... O quê? Claro que eu quero um beijo... Ei, não, eu não quero acordar...

Meu Deus, oito horas?! 'Tou atrasada para a Faculdade, véio! Caral... Não, prometi a ele que iria parar de falar esses termos... Ele... Que ele, acorda, menina! Não tem nenhum "ele"! Ou tem...?!

Nunca mais fico assistindo reprise de Superman II até tarde, tomando vinho... Coisa mais louca, amar um super-homem (dupla identidade e tirar os pés do chão não é pra mim!): quando você pensa que ele é seu, ele já voou pra bem longe... Amores de super-heróis devem mesmo ser bem efêmeros...

5 comentários:

On The Rocks. disse...

rs - legal, Érica.

bj

Poetíssima disse...

Eita que fui longe aqui... saudade desse jeitinho de escrever... li alguns outros posts.. foi bom te reler! Cheiros!

Dilberto L. Rosa disse...

Taí, gostei das viagens: gosto demais deste teu "jeitinho de escrever", leve, inteligente e divertido! Mais ainda quando te vales de metáforas e metalinguagens por cima de um dos meus personagens icônicos favoritos! Um abraço dentro de outro!

Salve Jorge disse...

Se tiver
Para vossa super mulher
Ele tem que bem escolher
Onde bota a colher
Se quiser
Dialogar direito
Com a poesia no jeito
O cotidiano no aceito
Suspira o peito
Prolegômeros que enfeito
Pros termos
Pra termos
Ermos
Ter, mas..
Mais?
Do mesmo..
Mesmo a esmo
Dançantes por aí...

*Natália* disse...

Não vi nenhum desses... hahahaha

bjs ;)